Pesquisar

Envie sua imagem


Você tem interesse em enviar um caso para divulgação? Siga a orientação abaixo. BRAVS Image: plataforma para publicação de uma imagem em alta qualidade e breve legenda de 2 a 5 frases resumindo o caso.

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida

*Segure a tecla "Ctrl" para selecionar mais de uma tag.

Entrada Inválida
Congresso - Foz do Iguaçu - 2018

Pneumatic Displacement of Submacular Hemorrhage with Subretinal Air and Tissue Plasminogen Activator: Initial United States Experience


BRAVS News - Pneumatic Displacement of Submacular Hemorrhage with Subretinal Air and Tissue Plasminogen Activator: Initial United States Experience - Veja esse e outros artigos
BRAVS NEWSLETTER
emm1
Bem-vindo a BRAVS Newsletter!
 
Ela tem como objetivo ser mais um canal de comunicação, utilizando como veículo o e-mail dos associados para trazer as novidades mais relevantes postadas no novo portal da SBRV/BRAVS, e traz também resumos de artigos científicos relevantes. A Newsletter da BRAVS é mais um canal aberto visando aumentar a interação dos sócios com o nosso portal e valorizar o papel do associado em nossa sociedade.
SELEÇÃO DE ARTIGOS
RELATIONSHIP BETWEEN OBSTRUCTIVE SLEEP APNEA AND THE PRESENCE AND SEVERITY OF DIABETIC RETINOPATHY. 
O estudo objetivou avaliar a relação entre a apneia obstrutiva do sono (OSA) e a presença e gravidade da retinopatia diabética (DR). 317 pacientes com OSA e DR foram retrospectivamente analisados.  A gravidade da retinopatia diabética e presença de edema macular diabético foram determinados por registro médico em prontuário. A gravidade da OSA e medidas adicionais do sono foram obtidas a partir da polissonografia noturna. A análise foi realizada com regressão logística multivariada. O estudo conclui que há aumento de risco de DR, retinopatia diabética proliferativa e edema macular diabético em pacientes com apnéia obstrutiva do sono grave. Os oftalmologistas que seguem esse tipo de pacientes devem estar cientes dessa associação para gerenciar melhor as seqüelas oculares do diabetes.
Autores: Chang, Aimee C.; Fox, Timothy P.; Wang, Shutao; Wu, Albert Y.
RETINA Logo
LEIA +
Cuticular Drusen: Clinical Phenotypes and Natural History Defined Using Multimodal Imaging. 

O estudo objetivou definir o intervalo e os ciclos de vida dos fenótipos de drusas cuticulares usando imagens multimodais e revisar suas características histológicas. Foi realizada revisão retrospectiva de dados de imagens clínicas e multimodais de 240 olhos de 120 pacientes com fenótipo de drusas cuticulares. Os pacientes foram submetidos a retinografia, angiografia com fluoresceína, angiografia com indocianina verde, infrared, autofluorescência, OCT de alta resolução e imagens de grande angular. Os olhos de 4 doadores humanos foram submetidos a microscopia óptica e eletrônica. Resultados: Drusas e alterações do EPR foram observadas na retina periférica, anterior às vorticosas, em 21,8% dos olhos. Nos olhos com mais de 5 anos de seguimento, as drusas cuticulares desapareceram em 58,3% dos olhos, coalescência de drusas foi observada em 70,8% dos olhos e novas alterações pigmentares do EPR desenvolveram-se em 56,2% dos olhos. Anormalidades do epitélio pigmentar da retina, formação de lesões viteliformes adquiridas, neovascularização de coroide e atrofia geográfica ocorreram a uma freqüência de 47,5%, 24,2%, 12,5% e 25%, respectivamente, e foram significativamente mais comuns em pacientes com idade superior a 60 anos (todos P <0,015). Pequenas drusas cuticulares geralmente demonstraram um aspecto ultra-estrutural homogêneo semelhante ao das drusas duras, enquanto que a fragmentação do conteúdo central e basal foi observada com freqüência em drusas cuticulares maiores.
 
Conclusões
 
O estudo conclui que embora as características ultraestruturais das drusas cuticulares pareçam mais com as das drusas duras, seu ciclo de vida e complicações maculares são mais comparáveis ​​às drusas moles. O fenótipo de drusas cuticulares confere risco para o desenvolvimento de atrofia geográfica e neovascularização de coroide.
Autores: Chandrakumar Balaratnasingam, Svetlana Cherepanoff, Rosa Dolz-Marco, Murray Killingsworth, Fred K. Chen, RandevMendis, Sarah Mrejen, Lay Khoon Too, Orly Gal-Or, Christine A. Curcio, K. Bailey Freund, Lawrence A. Yannuzzi.
logo-oph
LEIA +
Natural History of Subclinical Neovascularization in Nonexudative
Age-Related Macular Degeneration Using Swept-Source OCT Angiography 
Neste estudo prospectivo e observacional, o OCT- angiography  Swept Source foi utilizado para determinar a prevalência,incidência e a história natural da neovascularização macular subclínica (MNV) em olhos com degeneração macular relacionada à idade (DMRI) sem exsudação.
Foram seguidos 160 pacientes com DMRI exsudativa ou atrofia geográfica. O olho contralateral apresentou MNV subclínica em 14% dos casos no baseline.  De 134 olhos com visitas de seguimento, um total de 13 olhos demonstraram exsudação, e destes 13 olhos, 10 olhos apresentaram MNV subclínica pré-existente. Para os olhos com MNV subclínica no momento da primeira imagem de SS OCTA, a incidência foi de 21,1%, e para os olhos sem MNV subclínica, a incidência foi de 3,6%. Em conclusão, após 12 meses, o risco de exsudação foi maior para os olhos com MNV subclínica documentada em comparação com os olhos sem MNV detectável no baseline. Para os olhos com MNV subclínica, as recomendações incluem acompanhamento mais freqüente. A terapia com anti-VEGF para lesões subclínicas não é recomendada até que estudos prospectivos sejam realizados.
Autores: João R. de Oliveira Dias, Qinqin Zhang, José M.B. Garcia, Fang Zheng, Elie H. Motulsky, Luiz Roisman, Andrew Miller, Chieh-Li Chen, Sophie Kubach, Luis de Sisternes, Mary K. Durbin, William Feuer, Ruikang K. Wang, Giovanni Gregori, Philip J. Rosenfeld
logo-oph
LEIA +
 Clinicopathologic Correlation of Anti–Vascular Endothelial Growth Factor–Treated Type 3 Neovascularization in Age-Related Macular Degeneration. 
Este estudo realizou correlação clínico-patológica de caso de senhora de 86 anos com neovascularização tipo III (RAP) tratada com 6 injeções consecutivas de bevacizumab. A correlação clinico patológica da neovascularização tipo 3 demonstrou elementos vasculares de origem retiniana acompanhados de material colágeno e processos de células de Müller implantando-se em depósito laminar basal sub-EPR espesso, simulando o aparecimento da anastomose coriorretiniana. Células derivadas do EPR e células preenchidas por lipídeos (presumidamente microglia) se correlacionam clinicamente com focos de hiperrefletividade intrarretiniana.
Autores: Miaoling Li, Rosa Dolz-Marco, Jeffrey D. Messinger, Lan Wang, Richard M. Feist, Christopher A. Girkin, SarraGattoussi, Daniela Ferrara, Christine A. Curcio, K. Bailey Freund. 
unnamed
LEIA +
Pneumatic Displacement of Submacular Hemorrhage with Subretinal Air and Tissue Plasminogen Activator: Initial United States Experience

O trabalho objetiva apresentar a experiência multicêntrica inicial da utilização de injeção de ar sub-retiniano em combinação com ativador de plasminogênio tecidual (tPA) no momento da vitrectomia pars plana (PPV) para deslocar a hemorragia submacular (SMH).
Vinte e quatro olhos foram incluídos. Nos 3 meses após a cirurgia, o deslocamento completo da SMH do centro foveal foi alcançado em 24 olhos (100%), deslocados além das arcadas em 75% e além do equador em 20%. Hemorragia residual sub-EPR foi observada em 5 olhos (20,8%). A acuidade visual melhorou em 23 olhos e se manteve estável em 1. Como conclusão, a experiência inicial de injetar ar sub-retiniano no momento da injeção de tPA durante a VVPP demonstrou ser efetiva em deslocar a SMH da fóvea e levar a melhora visual.
Autores: Sumit Sharma, Jaya B. Kumar, Judy E. Kim, John Thordsen, PouyaDayani, Michael Ober, Tamer H. Mahmoud.
retina
LEIA +
Optical Coherence Tomography Biomarkers as Functional Outcome Predictors in Diabetic Macular Edema Treated with Dexamethasone Implant 
Neste estudo multicêntrico, retrospectivo e observacional, foram investigados biomarcadores para edema macular diabético (EMD) na tomografia de coerência óptica (OCT) em pacientes tratados com implante intravítreo de dexametasona (DEX). Foram avaliados 299 olhos de 284 pacientes. OCTs anteriores aos implantes de DEX foram avaliados quanto a presença de fluido subretiniano, tamanho e localização das alterações cistoides, continuidade da linha IS-OS, quantidade e localização de focos hiperreflectivos (HRF), anormalidades da interface vitreomacular e membrana epirretiniana. A BCVA e a espessura macular central foram registrados no baseline e aos 1, 2 e 4 meses após o tratamento com implantes de DEX. A presença de fluido sub-retiniano, a ausência de HRF e a integridade da camada IS-OS foram preditivas de melhor resultado visual após o tratamento com implantes de DEX. Embora os olhos com DME virgens de tratamento tenham obtido melhor visão do que os olhos refratários, o valor preditivo dos achados OCT não diferiu de acordo com essa classificação.
Autores: Dinah Zur, MatiasIglicki, Catharina Busch, Alessandro Invernizzi, MirianaMariussi, AnatLoewenstein for the International Retina Group.
unnamed
LEIA +
BRAVS NOVIDADE  🔎
43° Congress of the Brazilian Retina and Vitreous Society
emm-retina-2018

11 a 14 de Abril de 2018
Recanto Cataratas - Foz do Iguaçu - Brasil 

Veja mais informações!
BRAVS Image Bank
background_sbrv_preto
Saiba mais
emm1

Parceiros

Bayer
Novartis

Contato

11 3262.3587

atendimento@sbrv.org.br

Alameda Santos, 1343 - sala 408 | Jardim Paulista São Paulo/SP


Acesse sua conta.

Não consigo acessar. Clique Aqui